sexta-feira, 31 de julho de 2015

ALERTA VERMELHO: DESVENDADO PLANO DE COMUNIZAÇÃO DO BRASIL

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE CONDENA O GLIFOSATO


Embora, um significativo número de estudos científicos já tenham indicado o perigo do herbicida glifosato para a saúde humana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) rejeitou em repetidas ocasiões esta ameaça, de acordo com os interesses da transnacional Monsanto, a qual monopoliza estas "soluções" da agricultura mundial. No entanto, novas evidências finalmente obrigaram a OMS assumir o caráter nocivo do glifosato. Vamos explorar mais este negócio macabro.

O que é glifosato? Basicamente, e sem entrar em definições químicas, se trata do herbicida mais utilizado mundialmente para eliminar distintas ameaças naturais que afetam as culturas, proporcionando desta maneira um maior rendimento e um aumento da produção. A multinacionalMonsanto o comercializa através de seu produto Roundup.

Por décadas, estudos de especialistas e cientistas do mundo todo defendem que o glifosato pode provocar consequências negativas para as populações expostas. Os mesmos incluem diminuição da fertilidade e geração de abortos espontâneos, aumento de casos de defeitos de nascença e patologias do desenvolvimento ou leucemia e diferentes variedades de câncer, entre outras doenças.

O glifosato e o reconhecimento da OMS

Apesar destas evidências, a OMS entendia até o momento que o glifosato era um produto não cancerígeno e que não oferecia perigo algum. No entanto, um relatório publicado em 20 de março passado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), a qual faz parte da OMS, reconhece diretamente que o glifosato modifica o sistema endócrino e o equilíbrio das bactérias intestinais, altera o DNA e funciona como um controlador de mutações que levam ao câncer. Antes desta conclusão, 17 especialistas de 11 países realizaram avaliações prévias entre 3 e 10 de março. Por outro lado, muitos pesquisadores argumentam que o glifosato é motivo de deficiências nutricionais (sobretudo em relação aos minerais) e que, além disso, gera toxicidade sistêmica.

Alguns arriscam que se trata do fator mais importante para o desenvolvimento de doenças crônicas e inconveniências de saúde que aumentaram a sua incidência nas sociedades ocidentais nas últimas décadas, incluindo por exemplo o câncer, o autismo e o Alzheimer.

 Glifosato: Monsanto e sua "Agricultura Sustentável"

Qual é a atitude da Monsanto? Embora pareça incrível, a companhia continua a se promover como uma empresa que luta pela "agricultura sustentável". No entanto, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos comprovou em duas ocasiões que a multinacional falsificou de forma deliberada distintas evidências realizadas em laboratórios de pesquisa para estudar os efeitos do glifosato. Um primeiro caso afetou a Industry Biotest Laboratories, enquanto que no segundo incidente envolveu o laboratório Craven Labs. Como se isso não bastasse, em 2007 a Monsanto foi declarada culpada por propaganda enganosa nos Estados Unidos, por apresentar o Roundup (glifosato) como biodegradável. Não há dúvida que o poderio econômico e influência política desta multinacional que a faz sentir-se capaz de atropelar qualquer tipo de controle. Aqui é onde os cidadãos e consumidores devem tomar consciência e colocar um fim nesta loucura.

Che Guevara Assassino Frio e Racista

Assassinos frios e racistas também são os seguidores de Guevara, Castro, Mao, Stalin e internacionalistas vermelhos atrelados aos meta capitalistas da nova ordem mundial. DIA 16 DE AGOSTO! LIMPAR O BRASIL, BANIR O PT E PARTIDOS DO FORO DE SÃO PAULO APOIADOS PELO PSDB!

VEM PRA RUA 16 DE AGOSTO

ESTE VIDEO REPETE "FORA DILMA". E O QUE INTERESSA É FORA PT, FORA VERMELHOS, COMUNISTAS FORA DO PODER, COMUNISTAS FORA DA VIDA POLÍTICA NACIONAL. O INTERNACIONALISMO É UMA CACA INFECTANDO A CULTURA NACIONAL, DESTRUINDO A FAMÍLIA, FOMENTANDO OS PRECONCEITOS, A VIOLÊNCIA E AS DROGAS.



DIA 16 DE AGOSTO: O PODER DO POVO QUER O FORO DE SAO PAULO BANIDO E O PT FORA DA LEI. DILMA, LULA E CORRUPTOS NA CADEIA!

terça-feira, 28 de julho de 2015

HORA DE AGIR

Em 1977 , o Primeiro Ministro Tony Blair, do esquerdista Partido dos Trabalhadores da Inglaterra nomeou  John Sewel  um político da Escócia, como ministro da agricultura júnior. Sewel  foi eleito para o Parlamento e em 2012 assumiu a função de supervisor da conduta ética dos colegas.

Só a rainha podia expulsar um Lord do Parlamento por violação do código de conduta. Sewel introduziu uma nova regra concedendo aos deputados o poder de expulsar os infratores éticos. O nobre guardião da ética dos parlamentares ingleses  costumava insultar os políticos conservadores e reservava para o  o Primeiro Ministro Cameron o tratamento de  "superficial". Na Segunda Feira a Scotland Yard invadiu o apartamento de Sewel.

Ontem,  Terça Feira, 27 de Julho o Lord John Sewel, cavalheiro britânico de 69 anos, renunciou, pedindo desculpas pela "dor e constrangimento" por aparecer nas páginas do jornal The Sun, vestido com um sutiã laranja e uma jaqueta de couro, aparentemente cheirando uma carreira de cocaína nos seios de uma prostituta. (Fonte:  Katherine Haddon - AFP)

Se algo semelhante ocorresse no Brasil dominado pelos vermelhos internacionalistas, a mídia escandalosamente dominada por comunistas apresentaria o fato como piada e o parlamentar, sob o manto do "foro privilegiado", "imunidade" e um batalhão de advogados interpretando as leis, teria tempo suficientemente para que o caso caísse no esquecimento, em meio a novos e sucessivos escândalos.

O Brasil precisa de homens que possa tomar o poder e expulsar os moleques vermelhos da cena política. O Brasil carece de uma Constituição mínima, que propicie a liberdade para o trabalho em liberdade, sem o cipoal burocrático que submete empresas e trabalhadores à vontade do Estado tomado por corruptos e corruptores.

Este país tem tudo para ser soberano e independente, com um Estado que respeite o povo produtivo que hoje não passa de massa de manobra dos politiqueiros. Uma nova forma de estado e de política verdadeira e transparente em que, a partir dos municípios sejam determinadas as prioridades de aplicação dos recursos ali gerados.


O Estado que hoje centraliza todos os recursos é um sugador do sangue e suor dos brasileiros que hoje são cativos do crime organizado e servidor das máfias internacionais. Vamos convidar os vizinhos e amigos para sair às ruas no dia 16 de Agosto, para tomar a direção da fábrica Brasil,  colocando na gerencia gente comprovadamente capaz e confiável.

domingo, 19 de julho de 2015

FALÊNCIA NACIONAL, A DITADURA FINANCEIRA

video


Um amigo muito próximo estava de malas prontas para mudar-se para o Canadá. De repente soube que todos os vistos de entrada para aquele país estão suspensos. O Canadá está em recessão técnica devido aos acontecimentos na China.

Duas horas depois do término das filmagens de "Velozes e Furiosos 7" na China, em Abril, Tang Wentian, de 21 anos, destruiu seu Lamborghini, dirigindo pelas ruas de Pequim a 179 km/h. Os vizinhos ficaram furiosos reclamando contra uma segunda geração de riquinhos bem tratados, e os pais do rapaz disseram que não eram tão ricos assim, que o menino nem tinha um emprego e comprou o carro com o dinheiro ganho especulando na bolsa de valores."

Nos últimos dias os economistas ficaram arrepiados com a queda veloz do valor de ações na bolsa de valores chinesas. As consequências atingiram o Canadá, comprometido com a industrialização da China, cuja insaciável demanda por matérias-primas, um super ciclo de riqueza emergente garantiria o bem estar das gerações vindouras. De repente, o Banco do Canadá fez as contas e concluiu que a economia estava estrangulada. A China freava o "super ciclo".

Os economistas atônitos, buscam justificativas, saídas, especulam: "Se Se os chineses admitissem que abriram o bico, eu aposto que nós saberíamos muito mais sobre a revolta  das pessoas." Insistem em reformar teorias keynesianas, miltonianas, para tapar o sol com a peneira: a verdade e que o modelo operacional do sistema financeiro internacional orientado para a implantação da ditadura do governo mundial único, abriu o bico. Deliberadamente?
Um salto no tempo: desde a Revolução Francesa os agiotas do sistema financeiro internacional já manobravam para controlar os recursos financeiros e assim controlar os reis. Durante as guerras napoleônicas, Rothschild, manobrando nas sombras da bolsa de valores na City londrina, tomou posse do controle financeiro do reino.
O alto preço das guerras, financiadas por especuladores das bolsas tem arrasado países, exterminado os sonhos da juventude e destruído bens culturais. A insensatez da usura desvia o foco das pessoas e os governantes não percebem a insanidade, nem mesmo diante da ditadura financeira globalizada. Nem percebem de onde surgiu esta monstruosidade.

Os Estados Unidos da América se erigiram como líderes incontestáveis da liberdade na produção capitalista. E foram, em 1913, vítimas de um golpe: a criação da Reserva Federal. O decreto que criou aquela instituição privada, ignorou a Carta de Direitos que reserva ao Congresso "o direito de cunhar e regular o valor da moeda." Em 1935, o Supremo Tribunal confirmou que o Congresso dos EUA não poderia delegar esse poder a outro grupo.

Mas a Carta de Direitos, já tinha sido violada em 1913 pelo mesmo Congresso, na ausência  de parte dos Senadores, foi aprovada a lei que autorizava a Reserva Federal, uma instituição privada, a emitir, lucrar e impor normas sobre a circulação da moeda.  Tudo "legal" com a chancela do Presidente Woodrow Wilson, na  madrugada. Wall Street fortaleceu-se como  referência de especulação financeira.

O Presidente Kennedy, iniciou um movimento para livrar a nação da dependência financeira  e firmou a ordem presidencial "EO 11110" que conferia ao presidente a autoridade para cunhar moeda e ordenava ao Tesouro dos Estados Unidos a emissão de  4 mil milhões de "Notas dos Estados Unidos" para substituir as Notas da Reserva Federal. Meses depois foi assassinado... E os especuladores se fortaleceram mais. Criaram mais guerras,  crises financeiras e instabilidade mundial.

Hoje o mundo é refém de uma máquina diabólica. A Europa, ensaio da união de nações que abriram mão de sua soberania adotando o Euro (exceto a Inglaterra que manteve a Libra Esterlina) impõe um pacote de austeridade à Grécia socialista, submetendo-a ao Fundo Monetário Internacional. Milhares de pessoas protestaram no centro de Atenas. E daí? O governo socialista grego vai fazer o melhor para o FMI e para os bancos. A tal "democracia", que pressupõe um estado soberano em que a vontade da população, seja o poder decisório acima de todos, passou para a história.
Diferente é o exemplo da Islândia, que retirou dos bancos privados o poder de emitir a moeda. É o único país do mundo que fez isto: a moeda tratada como um serviço público e os bancos privados apenas como prestadores de serviço e não controladores. A economia deu um salto de 4.1% e o desemprego baixou para 3%. Esta é a boa política: fazer o melhor para a "polis", para a "cidade", o melhor para a população.

A informação em tempo real parece frear os intentos de implantação de um governo mundial sob a regência dos controladores do sistema financeiro falido. Os propósitos estão escancarados. Agora, as nações que puderem resistir vão enfrentar a guerra assimétrica em curso. A ação tende a recuperar a independência e a soberania nacional livrando-se dos abusos da ditadura financeira. A consciência e firme reação das pessoas será uma virada nas páginas da história da humanidade: para o pior ou para o melhor.


sábado, 18 de julho de 2015

FALÊNCIA NACIONAL

Dá pra entender que sejamos um país com imensurável riqueza mineral, biodiversidade, água e gente que nunca deixou de trabalhar duro e estejamos falidos? Pra onde vai a riqueza obtida com o trabalho das empresas e centenas de milhares de trabalhadores? Por que tantos empresários estão desistindo do Brasil e mudando para produzir em outros países?

O que fazer para que uma economia em crise, no mundo da globalização, volte a se desenvolver? Quem garante? Quem faz? De onde vem as tais crises? É incontestável que o único motor real da economia é o trabalho. O curioso é que toda gente trabalha duro e marca passo ou regride pendurada em cartões de crédito.

No caso do Brasil para atender aos apelos ao consumo com facilidades decorrentes das políticas socialistas, a vaca com o chocalho da economia foi para o brejo! Agora temos de gramar com a gasolina, eletricidade, alimentos, água... Tudo subindo de preço enquanto o desemprego aumenta e as Leis são atiradas ao lixo...

Os governantes revolucionários internacionalistas, cleptocratas perdulários, ajudam aos banqueiros internacionais que criam dinheiro do nada, com um simples toque na tecla do computador. Ganham e aumentam juros a seu bel prazer. Cometem fraudes, lavam dinheiro do comércio de armas e drogas, corrompem instituições, chantageiam e compram políticos, jornalistas e empregados governamentais...

Criam crises financeiras e financiam governos com empréstimos para "salvar os bancos", nunca para salvar as empresas nem para salvar os empregados. E tais empréstimos vão ser pagos com o trabalho das empresas e dos empregados.

O Sistema Financeiro Internacional fracassou e promoveu as crises  recessivas de  1953, 1957, 1960, 1969, 1975, 1981, 1990 e 2001. É isto que se considera  "servir ao interesse público"? Ou é abuso sancionado por lei pelos governantes aliados, parceiros ou sócios de empreendimentos sinistros? É a partir dos acordos secretos, escondidos da vista da população, é possível sair impune dos maiores crimes de furto e lesa Pátria. Hoje empresas e trabalhadores são obrigados a dispender 2.5 trilhões de Reais por ano, para que o governo brasileiro pague juros aos incansáveis predadores internacionais.

O Banco da Inglaterra, a Reserva Federal dos Estados Unidos, o Banco do Japão o Banco Central Europeu, o BIS - Banco da Suíça para Compensações Internacionais  e o cartel mafioso de bancos associados têm um poder tão grande sobre a vida das nações e das pessoas, que muita gente nem imagina. Qualquer mexida que fazem em seus registros obscuros afeta a cada indivíduo, a cada nação.

Este cartel que gera dinheiro sem limites para financiar governos, é quem governa o mundo de fato. Criando ou tirando de circulação a moeda de troca "ajuda" ou arrasa nações. O modelo nada têm a ver com o bem estar das pessoas ou com o desenvolvimento e sim com o lucro, o controle da energia e recursos do planeta, custe o que custar e doa a quem doer.

Os Estados Unidos deram o melhor exemplo quando se constituíram como Federação, garantindo a liberdade das pessoas para empreender e dos Estados para legislar de acordo com a Carta de Direitos. Mas a partir de 1913, perderam a soberania da moeda para a Reserva Federal, um clube de banqueiros privados que emitem o dólar e controlam moedas internacionais a seu bel prazer.

Um bom começo para recuperar a soberania nacional seria fazer como a Islândia,  retirar dos “agiotas” do Sistema Financeiro Internacional o poder de emitir e controlar a moeda. Complemente-se o trabalho com  uma auditoria das dívidas impagáveis. Seria um bom começo para vencer a ditadura do dinheiro organizado contra pessoas e contra as nações insuficientemente organizadas.


Seria um item entre outros para acelerar a produção, criar empregos e respirar livremente. Continuamos amanhã, refletindo sobre aspectos históricos fundamentais para entender o enigma da ditadura do dinheiro.

sábado, 11 de julho de 2015

OS 12 GATILHOS PARA IMPOR UM GOVERNO MUNDIAL

Por Adrián Salbuchi

Estes gatilhos estão entrelaçados e entrecruzados dentro de uma matriz altamente complexa e holística, muito flexível em suas táticas, mas rígida e imutável em seus objetivos estratégicos. Este modelo de domínio planetário é muito mais que a mera soma de suas partes.

1) Colapso do Sistema Financeiro Global, que desde 2008 está em terapia intensiva. Os grandes banqueiros com Ben Bernanke, Timothy Geithner e a equipe financeira norte americana - SWAT - (Robert Rubin, Larry Summers, os megabanqueiros do Goldman Sachs, CitiGroup, JP Morgan Chase, Rothschild, Lazard, Warburg) operam junto aos seus pares do Banco da Inglaterra, Banco Central Europeu e demais bancos.

Nunca tomaram qualquer iniciativa para ajudar as populações e as economias devastadas pelo 'câncer' financeiro. Só querem 'resolver' a crise presenteando bilhões de dólares à elite bancária propagandeando o mito de que certos bancos são "muito grandes para deixá-los quebrar". Na linguagem eufemística orweliana significa que são muito poderosos, porque no mundo industrializado os Governos não os controlam, nem monitoram, nem supervisionam (os Goldman Sachs, CitiCorp, HSBC, Deutsche Bank e JP Morgan Chase). A realidade é o contrário: os megabancos controlam os Governos.

2) Crises econômicas. Hoje em dia, o ’Capitalismo Extremo e Destrutivo’ está muito ocupado em colapsar economias nacionais e regionais, para depois reformá-las de modo parecido com um gulag mundial, que faria inveja até a Stalin. O problema não é a economia real global (que continua intacta na maior parte) e sim a crise terminal que afeta o falso e artificial mundo das finanças, dos bancos, da especulação parasitária e da usura.

3) Convulsões sociais. Os colspsos na Grécia, Irlanda, Portugal, Islândia e daqui a pouco na Itália, Espanha e outros, provocam manifestações e  levantes violentos, até mesmo em países como os Estados Unidos e Inglaterra, como aconteceram na Argentina, México, no Brasil em décadas passadas.

4) Pandemias. Vamos nos preparar para mais "gripes surpreendentes", convenientemente preparadas nos laboratórios para vender vacinação massiva obrigatória. Oportunidades discretas para introduzir minúsculos chips RFID (transponders de identificação por radio frequência) em nossos corpos e para provar 'virus inteligentes' que terão como alvo determinadas sequências de ADN. Serão virus seletivos, étnico-raciais como parte da campanha de redução massiva da população?

5) Aquecimento global. Enquanto se afunda a economia do "crescimento zero" a dinâmica passa do crescimento expansivo para a retração do consumo. Será que os "Créditos de carbono" serão o futuro mecanismo de controle social?

6) Mega-ataques terroristas de ’Bandeira Falsa’. Os donos do poder mundial guardam esta carta de algibeira, para detonar novas e gigantescas "crises", que vão servir de atalhos para a imposição de um Governo Mundial. Algo pior que os ataques do 11 de Setembro de 2001 em Nova Iorque e Washington? A explosão de algum artefato nuclear sobre alguma cidade ocidental para culpar os inimigos dos donos do poder mundial?

7) Guerra generalizada no Oriente Médio. Neste momento já estão prontas as forças aéreas, navais e terrestres do ocidente para atacar países como a Síria e Iran.  

8) ’Acidentes’ ecológicos y ambientais. O acidente nuclear de Chernobil em 1986, marcou o princípio do fim da ex URSS, mostrando ao mundo e aos mesmos soviéticos que seu estado não tinha condições de administrar com segurança a infra estrutura nuclear.  Em abril de 2010 vimos o enorme acidente ecológico da plataforma petrolífera da BP no Golfo do México; depois, em Março de 2011, o Japão e o mundo enfrentaram um acidente nuclear muito maior, no complexo nuclear de Fukushima. Terá havido alguma jogada suja em torno destes acidentes?

9) Assassinato de figuras políticas ou religiosas de alto nivel, recaindo a culpa em algum inimigo dos donos do poder. A CIA, o MI 6 e o Mossad têm muita experiência neste tipo de jogo sujo.

10) Ataques contra ’Estados transgressores’. Já aconteceu contra o Iraque e a Líbia. Quais serão as próximas vítimas? Síria, Irã, Venezuela, Coréia do Norte, talvez?

11) Encenação de um ’evento religioso’. A crescente dificuldade das massas para encontrar algum significado para suas vidas, as torna presa fácil de alguma suposta "segunda vinda" de um "messias" eletrônico, orquestrada e armada por técnicos de Hollywood, com sua realidade virtual 3D e hologramas. Veremos a aparição repentina de algum "ser superior" eletrônico, atuando em sintonia com os objetivos mundiais dos donos do poder? Neste caso, quem se atreverá a desobedecer ao próprio "deus"?  

12) Encenação de um contato com ETs. Pode ser que planejem algo parecido. Durante décadas, grandes setores da população foram programados para acreditar na existência de alienígenas.  Aqui também cabem as tecnologias holográficas com a aterrisagem de uma nave espacial extraterrestre - supostamente no jardim da Casa Branca - destacando a imperiosa necessidade de uma representação mundial unificada diante dos "extraterrestres".

Mais uma justificativa para impor um Governo Mundial? Como se relacionam estas "crises" - aquecimento global, pandemias, terrorismo, colapso financeiro, depressão econômica, convulsões sociais e até contatos com ETs? Tudo serve para demonstrar que não podem ser abordados por nenhum Estado Nacional isolado, o que justifica a necessidade de contar com um Governo Mundial.


Por tudo isto e mais, devemos estar em alerta, entendendo como as coisas são na realidade e não como os donos do poder mundial e seus multi meios globais querem que acreditemos que são.

CERCADOS E DESARMADOS

Há três anos, o escritor argentino Adrián Salbuchi escreveu o artigo "NA ANTESALA DO GOVERNO MUNDIAL". Para os mal informados aquilo parecia "teoria da conspiração". A atualidade do que Salbuchi grafou é espantosa, tanto quanto parecia espantoso o velho texto dos atualíssimos "Protocolos dos Sábios de Sião", que li na juventude e me pareceu pura doideira. Traduzo partes do artigo de Salbuchi:

"Os Donos do Poder Mundial, instalados no âmago dos principais Estados e Governos, estão decididos a impor ao planeta um Governo Mundial, a capa e espada... E quanto antes, melhor (para eles)! Em 2009 expusemos em um vídeo, o mega processo simplificado em 12 gatilhos geopolíticos, que os fatos atuais, lamentavelmente, confirmam.

Parece que todos os caminhos conduzem ao Governo Mundial. Isto não devia surpreender a ninguém. Gideon Rachman, comentarista de assuntos externos do Financial Times britânico, dizia em 8 de Dezembro de 2008 "E agora vamos para um Governo Mundial". Era apenas um eco do que as entidades decisórias do poder, como a Comissão Trilateral, o Conselho de Relações Exteriores (CFR), o Grupo Bilderberg e mais recentemente o Vaticano, encravados nos Estados, apregoam há décadas.

Gerenciar o planeta não é coisa simples. Requer planejamento estratégico e tático envolvendo uma vasta rede de bancos de cérebros aliados às universidades da elite, operando através de exércitos de acadêmicos, lobistas, jornalistas, políticos, funcionários governamentais, todos interagindo fartamente financiados pela estrutura supranacional de bancos e corporações.

Todos operam em conjunto, de modo holístico, desenhando e ativando estes gatilhos geopolíticos em áreas e planos diferentes, sabendo que cada um tem características, dinâmica e velocidade própria. Por exemplo:
-  Gatilhos Financeiros: são movidos na velocidade da luz, graças às tecnologias da informática e comunicações, que permitem valorizar ou colapsar mercados, moedas, economias nacionais e regionais em poucas horas ou dias.
-  Gatilhos Econômicos: são movidos mais lentamente, porque a fabricação de veículos, aeronaves, alimentos, roupas ou casas, plantas e instalações fabris demandam meses, até anos.
- Gatilhos Políticos: estão sujeitos ao mal denominado "sistema democrático". Manobram para ocupar espaços, financiar e impor seus políticos e operadores nas mais altas posições de poder em todos os Estados, desde onde impulsionam durante anos as medidas e leis que favorecem os interesses dos Donos do Poder Mundial.
v Gatilhos Culturais: costumam depender da implementação sobre várias gerações. Foi onde a Guerra Psicológica alcançou 'êxitos' inigualáveis, na formação, conformidade e deformação do imaginário coletivo, impondo padrões de comportamento e pensamento de efeitos perversos e demolidores, com os resultados sociais catastróficos que estão diante de nós.
O gerenciamento complexo de todos os riscos exige que os Donos do Poder levem em conta as armadilhas, perigos e surpresas que o futuro reserva. De modo que cada um destes e muitos outros itens têm os 'Planos B' - e inclusive Planos C e D - que, se necessário, podem ser rapidamente implementados.

Atualmente, os Donos do Poder Mundial estão fechando o processo geopolítico que teve seu ponto de partida com o colapso da antiga União Soviética, e que batizaram de 'globalização'. Pretendem substituir a 'globalização' por um Governo Mundial forjado sob medida.

Nos encontramos num perigoso momento de transição. Algo parecido ao que o filósofo alemão Nietzsche descreveu em seu 'Assim Falava Zaratustra' como: "Uma perigosa encruzilhada, uma viagem perigosa, uma olhada perigosa para trás e um perigoso tremer e paralizar-se".

Aviso: Os "Doze Gatilhos", em detalhe, no próximo Sábado.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

COMO FAZER O BRASIL RENASCER

"ROUBO PARA A COROA...


... Os frutos proibidos da árvore da corrupção" é um livrinho escrito Horacio Verbitsky nos anos 90, expondo os meandros da corrupção na vizinha Argentina. Com nomes, datas e endereços fica comprovada a responsabilidade das instâncias superiores da burocracia sobre os delitos cometidos por subordinados, que nunca agiriam sem o aval do governante.

A nossa erudita e gentil cleptocracia seguiu os mesmos caminhos, ultrapassou todos os limites, atingiu o inimaginável e as forças do bem continuam dispersas, confusas, sem um foco que as unifique e um plano organizado para conduzí-las na direção de recuperar o que nos foi roubado pela "coroa".

Existe um magistrado destemido que nos ajuda. Mas nem todas as práticas de conduta bandidesca foram tipificadas nos códigos, por legisladores que, em sua maioria, têm telhado de vidro. Ficam na sombra, no limbo, as condutas de alguns indivíduos encarregados de corrigí-las, no interesse da nação.

Daí o discurso insolente: "Daqui não saio... Daqui ninguém me tira... Isto é moleza!" As normas vigentes continuam desprezadas, desafiadas por comportamentos que desviam a nação do caminho da probidade, da justiça, da generosidade, do respeito humano, dos valores culturais, de uma Constituição que não passa de "volume morto" decorando as estantes palacianas.

No argumento de introdução do seu livro, Verbitsky alinha algumas conclusões que podem emoldurar o que hoje vivemos no Brasil, na América Latina e outras partes do mundo: "Que o assalto aos organismos de controle de gestão independente é causa e efeito de uma concentração de poder que premia e castiga... Que todas as formas de oposição popular contra a passividade e individualismo dificultam as práticas corruptas...

"...Que a corrupção não se limita a transações financeiras... Quanto mais os indivíduos são forçados a praticar alguns atos, maior é a probabilidade de que um dia diga basta! E por baixo da solidariedade mafiosa recupere o impulso generoso e o compromisso com o bem estar material e espiritual de seu povo." Isto é, atuar com a motivação que move as pessoas para a prática "de uma atividade tão desagradável como a política".

Nos nossos dias "o mundo questiona o modo como os governantes exercem o poder e os cidadãos carecem de ferramentas informativas e analíticas para compreender como e por que milhões ou bilhões de dólares foram transferidos para contas particulares há dezenas de anos, criando situações estruturais irreversíveis", como a gigantesca e impagável dívida pública.

Em todo o planeta cresce o temor de que o mundo caminha no sentido do governo único da nova ordem mundial. A maioria das pessoas desconhecem as tratativas internacionais e os compromissos assumidos pelos governantes para aterrorizar e encurralar as populações. Existem os que não concordam com isto e absorvem a propaganda estatal do melhor dos mundos.

O jornalista Jim Mars do New York Times,  escreve sobre as manobras dos G.O.D.S (Guns, Oil and Drugs Syndicate) o monopólio global das Armas, Petróleo e Drogas que está destruindo  conscientemente os valores americanos e prescrevendo soluções corretivas. Por aqui acontece o mesmo.
De acordo com a Declaração da Independência, Constituição dos Estados Unidos, vigente ha 239 anos,  "Todos os homens são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, como a vida, a liberdade e a busca da felicidade". Mas a América hoje não é capaz de viver de acordo com os ideais dos pais fundadores. Ja conta com 3 milhões de pessoas sem teto.
A nação mais avançada tecnologicamente do mundo tem uma expectativa de vida abaixo do Chile ou do Bahrein. E os cidadãos do país mais rico do planeta continuam a ingerir produtos químicos tóxicos através dos alimentos, das vacinas, e até mesmo da água. A América, foi apreendida por uma cultura de morte.

"Uma cultura promulgada pelos mestres globalistas do G.O.D. -  Sindicato das armas, petróleo e drogas. Este trio letal está empurrando os americanos (e o mundo) para o precipício, para o declínio inexorável, para a servidão e morte prematura.  Sabendo disto, podemos agir unidos para um retorno à verdadeira prosperidade, salvar nossas vidas e alma da nossa nação."

terça-feira, 7 de julho de 2015

PEDOFILIA VEM DA ONU, "MULHER SAPIENS" APROVOU

Em poucas e claras palavras, um Procurador da República explica o que está sendo inseminado em nossas escolas para bichar a mente infantil e acabar com a a instituição familiar.


video